Publicidade

sábado, 9 de novembro de 2013 NBB | 01:01

10 coisas para se observar na nova temporada do NBB

Compartilhe: Twitter

A temporada 2012/13 do NBB começa neste sábado. Atual campeão, o Flamengo recebe a visita do Brasília, time recordista de títulos da competição. O jogo será na HSBC Arena, no Rio de Janeiro, às 10h (de Brasília), e será transmitido pela Globo. O duelo promete. É  a maior rivalidade do basquete brasileiro nos dias de hoje.  Para aqueles que gostam de aproveitar a noite de sexta-feira até altas horas, vale a pena o esforço de levantar um pouco mais cedo da cama.

O guia completo da nova temporada do NBB foi publicado nesta sexta-feira no iG Esporte e dá para ser lido clicando neste link. Por aqui, relacionei dez coisas para ficarmos atentos neste novo campeonato.

Flamengo, atual campeão do NBB

Flamengo, atual campeão do NBB

Defesa do título do Flamengo – Na temporada passada, o time somou 20 vitórias antes de perder pela primeira vez no campeonato. O recado foi dado de maneira imediata: a equipe vinha forte para a conquista do título, algo que acabou acontecendo. O problema é que o elenco campeão sofreu duas baixas importantes. Saíram o pivô Caio Torres e o armador Kojo Mensah, ambos titulares. Para os seus lugares, chegaram o norte-americano Jerome Meyinsse e o argentino Nicolás Laprovittola. Será interessante observar como estas novas peças vão se encaixar e se o Flamengo terá um novo começo de campeonato arrasador.

Sergio Hernandez no Brasília – O currículo dele é bastante respeitável. Comandando equipes, foi duas vezes campeão da Liga das Américas, além de ter seis títulos da liga argentina. Mas a conquista mais importante foi a medalha de bronze nas Olimpíadas de 2008, à frente da seleção do seu país. São feitos que deixam bem claro o quanto se trata de um treinador competente. Aos 50 anos, ele chega para dirigir um dos elencos mais talentosos do Brasil, três vezes campeão nacional, mas que ficou de fora da decisão do NBB pela primeira vez na última temporada. O desafio para Hernandez é bem claro: recolocar Brasília no topo.

Evolução dos francanos – O desempenho do Franca na última temporada surpreendeu muita gente. Com um elenco repleto de jovens, tirou a invencibilidade do Flamengo na fase de classificação, classificou-se com facilidade aos playoffs e só foi eliminado nas quartas de final pelo Bauru no quinto e último jogo da série. Ótimo trabalho de Lula Ferreira, que agora conta com jogadores um ano mais amadurecidos e tem tudo para fazê-los ainda mais competitivos. Revelações como Lucas Mariano, Léo Meindl, Jefferson Socas e Cauê Borges podem perfeitamente explodir de vez nesta temporada e se consolidarem como realidade.

Pinheiros mais experiente – Após perderem o título da Copa Intercontinental para o Olympiacos (da Grécia), jogadores e comissão técnica do time da capital paulista eram unânimes em seus discursos. Todos eles diziam ter aprendido muita coisa com o estilo de jogo dos europeus e que essa aula seria bastante útil para o futuro da equipe, sobretudo para a disputa do NBB. Mortari e seus comandados terão de tempo de sobra para mostrar o que absorveram. Se conseguirem, aumentam bem as chances de chegar à primeira vez decisão da liga nacional.

Murilo em Bauru – Guerrinha não pensou duas vezes. O treinador do Bauru admitiu que nunca sentiu o time tão forte para a disputa de um NBB como agora. Faz sentido. Não só pela manutenção da boa base da equipe, mas principalmente pela chegada de Murilo, um dos pivôs mais dominantes do basquete brasileiro nos últimos anos. Caso consiga se manter saudável e repetir o sucesso que teve por São José, o pivô tem tudo para representar uma arma muito perigosa no garrafão. Capaz de fazer Bauru, finalmente, brigar pelo título do campeonato.

Gui: ala do Bauru pode explodir de vez nesta temporada

Gui: ala do Bauru pode explodir de vez nesta temporada

Gui um degrau acima – Murilo não é a única razão pela qual os torcedores de Bauru devem se animar para a temporada. O atlético ala Gui apareceu nos últimos anos como promessa e vem apresentando desenvolvimento constante em seu jogo desde então. É justamente essa constante evolução que reforça a crença daqueles que imaginam o jovem de 22 anos entrando de vez nesta temporada na discussão sobre os melhores jogadores do Brasil.

Dupla norte-americana no Paulistano – O armador Kenny Dawkins e o ala Desmond Holloway tiveram ótimas atuações pela Liga Sorocabana na última temporada. Juntos, tiveram médias de 38,1 pontos, 7,8 rebotes e 5,2 assistências por partida. Os dois norte-americanos permanecem lado a lado, mas agora com a camisa do Paulistano. Explosivos, devem deixar o ataque do time da capital mais perigoso se repetirem o que fizeram em Sorocaba.

Limeira reforçado – O desempenho no Campeonato Paulista foi decepcionante com a eliminação antes dos playoffs. Mas o período de descanso até o início do NBB pode ter dado ao técnico Demétrius Ferracciú o tempo necessário para fazer ajustes com as novas peças que tem à disposição. Entre as novidades para a temporada, estão o pivô Bruno Fiorotto e o ala-pivô Guilherme Teichmann, que vieram de Pinheiros e Franca, respectivamente. Mas a principal delas é o ala norte-americano David Jackson, que se destacou no Flamengo duas temporadas atrás e está de volta ao basquete brasileiro. Em tese, são jogadores que podem fazer Limeira aparecer na parte de cima da tabela e chegar mais longe do que no último ano, quando caiu ainda nas oitavas de final. Resta saber como tudo vai funcionar na prática.

Palmeiras – Tudo levava a crer que o time do Palestra Itália lutaria contra o rebaixamento na última temporada do NBB. Até que uma sequência de vitórias na reta final livrou esse risco. A reação aconteceu tarde demais para render uma vaga nos playoffs. Mas agora o Palmeiras tem toda uma temporada pela frente para seguir mostrando evolução e chegar mais longe do que foi em seu ano de estreia.

São José desfalcado – Até poucos dias atrás, a expectativa em torno de São José era com a chegada de Caio Torres. Como Fúlvio, acostumado a jogar com Murilo, iria se virar em quadra com um novo companheiro de garrafão, de características diferentes em relação ao anterior? Essa é uma pergunta que não terá resposta tão cedo, já que o armador perderá toda a temporada por causa de uma cirurgia no joelho esquerdo. O grande desafio do São José, então, será conseguir se manter entre as principais equipes do Brasil sem aquele que vinha sendo seu grande maestro. Quem assumirá seu papel?

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

quinta-feira, 7 de novembro de 2013 NBA | 19:24

A invasão russa

Compartilhe: Twitter
Prokhorov, dono do Nets: dinheiro de sobra

Prokhorov, dono do Nets: dinheiro de sobra

A mídia norte-americana continua espantada, para dizer o mínimo. Como se dinheiro fosse raridade por lá. A culpa é do bilionário russo Mikhail Prokhorov, dono do Brooklin Nets. Com a mudança nas regras da liga, resultado do acordo salarial coletivo celebrado em 2011, a equipe terá um gasto anual de US$ 173 milhões em salários (US$ 98 milhões) e multa (US$ 75 milhões).

Prokhorov não é Eike Batista, logo não precisa se preocupar com um gasto de US$ 173 milhões. Os jornalistas dos EUA sabem bem disso, mas alguns têm a memória ruim. Tanto que a cada dois dias surge na mídia uma manifestação de espanto. É difícil achar um texto que cite o Nets sem lembrar do gasto e classificá-lo como insanidade. O barulho é tão grande que exige uma reflexão.

Dmitry Rybolovlev, compatriota de Prokhorov, é dono de 66% do Monaco, um clube médio de futebol que sonha ser grande. Como a NBA tem lá suas regras e o futebol é a casa da sogra, Rybolovlev resolveu comprar um time de futebol. É mais fácil fechar negócio e ninguém faz muitas perguntas. Só que ser dono de time de futebol é muito mais caro.

Segundo o site Transfer Markt, Rybolovlev gastou US$ 224 milhões na contratação de reforços para esta temporada. São US$ 51 milhões a mais que os US$ 173 milhões gastos pelo Nets. Mas, veja bem: são US$ 224 milhões gastos apenas na contratação dos caras! Só que esses caras, é claro, precisam receber o salário, que não é baixo.

Em 2012, Barcelona e Real Madrid, os dois clubes mais ricos do futebol mundial, gastaram respectivamente US$ 217 milhões e US$ 195 milhões em salários. Digamos que o modesto Monaco, agora repleto de astros, gaste US$ 150 milhões em salários na temporada 2013/14. Rybolovlev já terá desembolsado US$ 374 milhões em um ano. É mais do que o dobro do que gasta o Nets. E no mundo do futebol pouca gente ainda se espanta com esses números.

Mas voltemos à NBA, que é o nosso quintal. Enquanto os norte-americanos donos de equipes estão preocupados com os lucros, com a boa imagem e com a saúde financeira das franquias, os bilionários que deitam e rolam no futebol europeu estão preocupados com… com qualquer coisa, menos com dinheiro. E é questão de tempo até que comecem a bater na porta da NBA. Se Prokhorov conseguiu entrar, é possível que outros aproveitem o vácuo.

Autor: Tags: ,

  1. Primeira
  2. 20
  3. 30
  4. 40
  5. 41
  6. 42
  7. 43
  8. 44
  9. 45
  10. Última